Counter

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

CG Costa do Descobrimento Part 06





Colher de Pau – Arraial D’Ajuda BA


Reconhecido pela excelência da culinária de Porto Seguro – BA, há vinte e três anos na Passarela do Descobrimento no centro da Cidade, referência extensiva às suas recentes unidades em Taperapuã - na Orla Norte, e em Coroa Vermelha – Santa Cruz de Cabrália, o grupo Colher de Pau inaugura mais uma casa em dois de novembro de 2014, no mais charmoso eixo comercial e gastronômico da Costa do Descobrimento – a Rua do Mucugê, no Arraial D’Ajuda.
O Colher de Pau leva consigo seu cardápio e preços padronizados em todas as unidades, atendendo aos mais variados paladares de seus clientes nativos, executivos, empresários e turistas. O Circuito Geral, presente no restaurante no dia 21 de dezembro de 2014, constatou um show de capacidade e eficiência na manipulação das iguarias e primoroso design de seus pratos, sob o comando do jovem chef Jackson Ribeiro e de sua equipe de ajudantes. A casa também oferece um requintado serviço de barman por Wellington – tudo sob a coordenação de Pablo e Domingos.
Objetivando a implantação da casa a partir de uma temática diferenciada, agregando valores eco sustentáveis ao complexo comercial de Arraial D’Ajuda, a gerente de marketing da empresa Olímpia Pacheco, juntamente com o artista plástico Titi Ladwing, desenvolveu um projeto luminotécnico contemplando o uso de lâmpadas de baixo consumo de energia e luminárias fabricadas com material reciclado – estruturadas com aros de bicicleta refugados e trançadas com fibra de garrafas pet, resultando nos mais variados tipos de plafons, pendentes, arandelas e pétalas para iluminação externa. Agregado a essa concepção, os guarda-corpos do terraço descoberto recebem uma trama iluminada como fechamento, executados a partir do mesmo material.
Coroando a edificação, por sua vez ambientada interna e externamente em harmonia com a aconchegante identidade visual do Arraial D’Ajuda, a trama de fibra de garrafas pets assume o formato de um dos mais típicos instrumentos da culinária brasileira – a colher de pau – não só anunciando aos seus clientes o nome da casa, mas dando-lhes boas vindas à típica culinária da Costa do Descobrimento.
Segundo o Arquiteto Urbanista e Mestre em Conforto Ambiental pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Mauro Senna, a edificação, após a sua reforma, agregou valores positivos ao conjunto arquitetônico do entorno e resgata a linguagem da arquitetura local, muitas vezes cosmopolizada pela introdução de exemplos de arquitetura cuja linguagem é estranha ao local.
Da mesma forma, a identidade visual, a partir de seus elementos rústicos e neutralidade cromática, se integra na proposta embrionária da Rua do Mucugê, berço de uma diversa e aconchegante paleta de cores urbana, responsável pelo charme do eixo comercial, seja durante o dia ou à noite.
Em harmonia com os cintilantes pontos, cordões de luz e luminárias coloridas presentes na Rua do Mucugê, o restaurante Colher de Pau se integra à paisagem noturna com sua tênue iluminação ambiente cuja temperatura de cor morna, inspira o acolhimento e uma transparência ao seu interior à visão dos simplesmente passantes ou dos clientes efetivos que procuram desfrutar da atmosfera mística e romântica promovida pelo Arraial D’Ajuda.
Quanto ao conforto ambiental, a edificação conta com salas de refeições cobertas abertas, varandas e terraços descobertos que são beneficiados pelas brisas marítimas diurnas e terrestres noturnas, promovendo considerável conforto térmico natural aos seus clientes. Em função da permeabilidade aos ventos promovida pela própria arquitetura, a ventilação urbana, considerando o seu entorno imediato, também é beneficiada, princípio este levado até mesmo ao letreiro da casa – a monumental colher de pau - que, apesar de suas dimensões, não gera qualquer barreira ou resistência aos ventos devido à trama a partir do material que é confeccionado, em perfeita sintonia com a paisagem urbana e natural na qual a edificação encontra-se inserida.
Segundo Senna, muito poderia ser discorrido a respeito da descaracterização desse charmoso eixo comercial do Arraial D’Ajuda com a introdução de exemplos de arquitetura estranha à cultura local, a utilização de letreiros em formatos de banner – atuando quase como outdoors impermeáveis à ventilação urbana, de iluminação agressiva a partir de fontes de luz com temperatura de cor extremamente fria - seja do interior dos estabelecimentos, espaços abertos ou, até mesmo de seus letreiros, e de fontes poluidoras de som - que transcendem a necessidade da sonorização ambiente, tão benvinda aos que trocam uma prosa durante a degustação das iguarias oferecidas pelos mais variados espaços gastronômicos da Rua do Mucugê.
No entanto, essas são questões a serem avaliadas e normatizadas oficialmente pelos órgãos públicos competentes e que não fazem parte do depoimento específico sobre a edificação do restaurante Colher de Pau no contesto urbano da Rua do Mucugê ou, até mesmo, da “Broadway”, sob a ótica de um arquiteto urbanista carioca, amante da Costa do Descobrimento e frequentador da região há mais de vinte anos. A despeito do enfoque técnico de seu testemunho, a sua visão do conjunto arquitetônico do restaurante Colher de Pau, incluindo o seu polêmico letreiro, devido às suas proporções monumentais, não passa de mera avaliação pessoal, tão subjetiva quanto opiniões veiculadas nas redes sociais, democraticamente à disposição de todos.
De acordo com o grupo Colher de Pau, muitas das subjetivas e depreciativas opiniões pessoais veiculadas pelas redes sociais acerca da sua nova unidade no Arraial D’Ajuda poderiam ter sido reconsideradas em tempo, caso esse reduzido número de pessoas tivessem procurado conhecer o processo de implantação do projeto de ambientação da casa, desenvolvido segundo critérios de educação e preservação ambiental e concebido por profissionais qualificados e consagrados.
A preocupação da diretoria do grupo Colher de Pau e de seus colaboradores com o desenvolvimento de um projeto no qual a qualidade e da responsabilidade ambiental fosse um binômio presente a ser transmitido aos seus usuários, é expressa nos seguintes quantitativos de resíduos reciclados, retirados do lixo:
(a)    para a confecção das luminárias: 67 rodas e 335 aros de bicicletas;
(b)    para a confecção das luminárias, do revestimento das sacadas e do letreiro: 9.000 garrafas pets.
Ademais, a iluminação projetada contemplando lâmpadas econômicas, visa à racionalização do consumo energético e se encontra em plena sintonia com a redução do aquecimento global.
O grupo Colher de Pau reconhece o apoio dado por seus clientes e parceiros que comparecem à sua unidade Arraial D’Ajuda, ao externarem suas opiniões favoráveis a todo trabalho realizado e registra o seu empenho em agregar benefícios à Costa do Descobrimento como um todo, garantindo trabalhar em cumprimento com as determinações dos órgãos oficiais competentes e não em função de opiniões pessoais.

O Circuito Geral, ciente de que a monumental obra de arte deverá ser removida na primeira semana de janeiro de 2015 por força dos órgãos oficiais, recomenda a todos que compareçam ao Colher de Pau – Arraial D’Ajuda para que possam tirar suas próprias conclusões a respeito do polêmico letreiro. 


segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

CG - Costa do Descobrimento part 05


“Diversité” – Porto Seguro - BA

“Diversité”, em sua terceira edição na cidade de Porto Seguro – BA trata-se de um espetáculo produzido pela Academia Olímpia sob a direção do não menos que o 23 vezes campeão baiano de Karatê, Carlos Vieira.
O Circuito Geral esteve presente na segunda dentre as duas únicas apresentações ocorridas no Centro Cultural da Cidade, nos dias 19 e 20 de dezembro de 2014, e teve o prazer de constatar uma das mais incríveis produções para o porte e vocação cultural da cidade de Porto Seguro.
A proposta do espetáculo tem como objeto as modalidades esportivas desenvolvidas na Academia Olímpia – karatê, dança do ventre, ballet clássico e contemporâneo. O corpo performático do espetáculo é composto por alunos da instituição, de todas as faixas etárias, além de estrelas especialmente convidadas, consagradas do corpo de bailarinos da Escola Bolshoi – Roberta Kassebi e Deoli Rodrigues, e da dupla de percussionistas japoneses, trazidos do Japão para o evento, que presenteou a plateia com uma extasiante apresentação de taiko – uma emoção a cada batida dos tambores.
A produção do espetáculo primou pelos detalhes e zelo para com o público - o material de divulgação, as boas vindas ao espetáculo ao som de um saxofonista, a programação visual de orientação na plateia e o suporte permanente prestado por seus assistentes. Os recursos cênicos extrapolam, em muito, a de muitas produções em grandes centros urbanos no que tange ao cenário, iluminação, som, figurino, visagismo e demais operações.
A plateia era lotada por apreciadores das artes, por figuras públicas e por empresários, muitos deles, responsáveis pelo sucesso do espetáculo devido ao patrocínio e apoio que deram, não somente à realização do “Diversité”, mas uma contribuição sem igual à disseminação da cultura, disciplina, cidadania, inclusão e formação de toda uma promissora nova geração de atletas e artistas – um evento que se torna obrigatório no calendário da cultura de Porto Seguro.
A diversidade artística desenhada ao longo de toda a apresentação eclode, com o derradeiro número apresentado pelo ousado campeão brasileiro de Karatê e mentor do espetáculo – demostrando o quanto a disciplina e profissionalismo são fundamentais para que um sonho se torne realidade e finque raízes – em sua apresentação solo, tecnicamente inovadora, quando luta com a sua própria sombra.  Metaforizando, através deste número, Vieira nos põe frente a frente com nossos próprios inimigos – nós mesmos.
Reunidos no palco, ao final do espetáculo, o corpo performático e equipe, sob os aplausos incessáveis da plateia, “Diversité” se consagra numa experiência sensorial, com a aspersão de fragrância aromatizadora produzida por uma das mais consagradas casas do ramo de Porto Seguro, como parte essencial dos apoiadores patrocinadores desse grandioso espetáculo.


CG - Costa do Descobrimento part 04





O Livreiro - Porto Seguro - BA

O Circuito Geral compareceu ao sarau em “O Livreiro” nesta sexta-feira, dia 19 de dezembro de 2014.
Antes de qualquer coisa, “O Livreiro” é uma livraria sebo que se desdobra num café e numa estalagem. Com isso, a casa assume uma dinâmica cultural em meio a restaurantes, hotéis e pousadas numa das mais charmosas ruas de Porto Seguro – a Marechal Deodoro, vulgo Rua do Mangue.
A descontração do espaço transpõe suas portas e ocupa a caixa de rua imediatamente à frente da sua charmosa fachada. A noite foi comandada pela potente voz e violão de Felipe Sampaio - cantor de Vitória da Conquista – Bahia, que interpretou músicas de grandes nomes da MPB, tais como Peninha, Zé Ramalho, Cazuza, Caetano Veloso e Chico César. Entre poemas recitados e introduções às músicas, os frequentadores da casa aplaudiam e aguardavam pelas novas manifestações daquele sarau em quase moto-contínuo, com a constante adesão de artistas ao grupo ou em apresentação solo, como no caso da cantora Rosana Peixoto com sua participação para lá de especial.

Rosana personifica a tão marcante cultura negra em nosso país, apresentando produções de sua autoria nas quais introduz Orixás e entidades da Umbanda e do Candomblé e a emoção existente no coração de cada negro retratada pelo Banzo – segundo a artista, palavra que não é traduzida em qualquer outra língua, mas, em português, saudade - por uma cultura africana a qual se faz presente somente pela ascendência desse povo, aqui tão enraizado e miscigenado em solo brasileiro. Rosana, após sua apresentação solo, conta com a participação de Hebert Labart na percussão, num espetáculo sem comparativo.

A pedido dos espectadores, Felipe Sampaio retoma o palco e dá início a um medley a partir de músicas de Jair Rodrigues, Roberto Carlos, Jorge Ben Jor e Lenine, encantando a platéia que, naquele momento, curtia o que seria somente o início da noite e que definiu a audiência na qual esteve presente o Circuito Geral, tamanho o acesso de novos espectadores à simpática e aconchegante casa de cultura.
Ao som da vigorosa interpretação de Sampaio de “Orora Anarfabeta” de Mestre Gordurinha, o Circuito Geral completa sua cobertura, certo de que o sarau de “O Livreiro” é um programa imperdível para a população nativa e de turistas que procuram por manifestações culturais e artísticas de qualidade em Porto Seguro.


domingo, 14 de dezembro de 2014

CG - Costa do Descobrimento part 03



Squadra Club – Mundaí – Porto Seguro Ba

O Circuito Geral esteve presente na última sexta-feira, dia 12 de dezembro de 2014, em uma das mais diferenciadas casas noturnas de Porto Seguro, localizada na Praia de Mundaí – o Squadra Club.
Trata-se de um clube aberto ao seleto público nativo e turista da região, cujo universo é composto por jovens e adultos antenados em estilo, qualidade musical e adeptos a uma arquitetura e ambientação diferenciadas - ou seja, formadores de opinião em potencial à procura de qualidade de entretenimento e de serviço.
O espaço é composto por um generoso e aprazível foyer, uma antessala de acesso à pista com equipados com toaletes criteriosamente projetados, um extenso bar com capacidade suficiente para atendimentos sem atropelos, uma cabine para DJ que conta com equipamentos de som e de iluminação de última geração, um palco para apresentações ao vivo e uma ampla pista de dança – conjunto esse com capacidade para acomodar, confortavelmente, 450 pessoas.
A casa abriu as portas com Deep House comandado pelo DJ residente Renato S, que deu as boas vindas e aqueceu o público que lotou gradativamente a pista. Renato preparou os frequentadores da casa para demais as atrações – em primeiro lugar, o grupo de Forró Pé de Serra - "Maria Mais Eu", que assumiu o comando da noite e que fez dos casais mais descontraídos, o centro das atenções com seus ousados arrasta-pés, ao som do melhor da música nordestina – para todos.
Preenchendo o intervalo entre as atrações da noite, Renato S retoma eficientemente a pista com seu set, mantendo o aquecimento anteriormente conquistado, até às 2:00 da madrugada, anunciando a grande atração da noite - André Lima & Rafael, com o seu sertanejo universitário que explode a pista do Squadra Club com extrema competência e sintonia com os frequentadores da casa até altas horas da madrugada.
O Circuito Geral contou com a simpática companhia da ilustre Alice Zanoni - coordenadora de eventos do Clube, que apresentou o complexo que também se presta, de forma exemplar, como um centro de convenções para, pelo menos 300 pessoas, e espaço para eventos particulares, oferecendo conforto, requinte e qualidade.
O Squadra Club já se tornou referência nas noites de Porto Seguro – local onde nativos e turistas exigentes encontram seu point seguro de lazer e entretenimento.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

CG Costa do Descobrimento 2014 - Part. 02


Praça do Relógio - Porto Seguro - BA

Um dos mais badalados points de eventos públicos de Porto Seguro, a Praça do Relógio foi visitada pelo Circuito Geral na noite de domingo - 7 de dezembro de 2014, onde foi realizada uma sequência de eventos musicais dançantes, a começar pela intérprete Maria Maia que aqueceu os casais ao som da MPB, das 20:00 às 21:00.
Maia - voz e teclado bastam para acalantar os corações apaixonados e levar seus ouvintes ao deleite, qualquer que seja o cenário projetado para a sua apresentação.
Dando seguimento ao trabalho de Maia, o DJ Levi agita os pares através dos passos da Lambada ao ritmo do melhor do Zouk, entretendo os pés de valsa, espectadores e demais frequentadores da Praça, num contágio coletivo por ritmos eletrizantes, do qual, ninguém escapa.
Dj Levi comanda a performance dos desconhecidos da noite, porém, mais que familiarizados com ginga e a pegada baiana, mantendo a pista lotada, do início ao fim de seu set.


domingo, 7 de dezembro de 2014

CG Costa do Descobrimento 2014 - Part. 01


Ilha dos Aquários - Arraial D'Ajuda - Porto Seguro BA

Patrimônio da cultura e lazer da Costa do Descobrimento, localizada na foz do Rio Buranhém, entre Porto Seguro e Arraial D’Ajuda, a Ilha dos Aquários abre o seu portal, abrilhantando todas as noites das sextas-feiras, a partir das 20:00.
O complexo proporciona uma visão do ecossistema e da biodiversidade da região - através de seu paisagismo natural, adaptado para receber seus visitantes e da arquitetura cujos estilos vão desde a colonial até a contemporânea, repletas de elementos característicos da cultura local. 
O Circuito Geral compareceu à Ilha na noite de 5 de dezembro de 2014 e constatou a qualidade dos serviços e o potencial de satisfação e de atendimento à demanda por diversão e lazer por parte dos visitantes, sob a responsabilidade do seu produtor cultural, Manu Santiago.
O portal de acesso à Ilha dos Aquários se dá através do transporte de seus visitantes, a partir de Porto Seguro, cruzando o Rio Buranhém, por meio de uma escuna, de onde é possível desfrutar a beleza da paisagem e a brisa noturnas. As boas vindas à terra firme são dadas a partir de um pórtico temático e de um caminho ao longo do qual os visitantes podem comtemplar diversos recantos compostos pela flora nativa e exótica, artisticamente iluminados. Em seguida, uma sequência de piscinas e aquários expõe uma diversidade de animais marinhos, dentre tubarões, arraias, moreias e meros.
Em sequência, o complexo oferece total suporte aos visitantes que buscam simplesmente um momento gastronômico, como também aos que caem na pista sem saber se existirá um amanhã - a sede e a fome são combatidos pela creperia, pelo shushi bar, e pelas tendas que oferecem um fast-food tipicamente regional, como a tapioca recheada e as iguarias que só a baiana tem.  
Finalmente, chega-se aos espaços musicais e dançantes, dentre os quais, o recanto do forró, ao som da banda "Cacimba Barrenta", embalava, incansavelmente, os casais chegados a um arrasta-pé.
Aos adeptos da vibe promovida pelo estilo “bate-estaca”, a boate – cuja operação de som é de responsabilidade do DJ residente Kuca – encontrava-se sob a competente regência do DJ Paulo Becker, levando a pista a um verdadeiro transe musical.
No palco principal, apresentaram-se as estrelas da noite e da madrugada, dentre elas, a "CIA de Dança da Ilha dos Aquários", promovendo um aquecimento a partir de suas coreografias. Madrugada à dentro, a banda "Cidade Elétrica" promove uma apresentação de quase quatro horas de duração, sem intervalo - um eletrizante show que desenha a pista do palco principal, como num inesperado flashmob ao som da música baiana.
Caminho inverso, ao cais de embarque da escuna, de volta a Porto Seguro, o semblante de satisfação da totalidade dos visitantes da "Ilha dos Aquários" endossa o potencial do point familiar e de todos os descolados que, certamente, retornarão aos 70 mil metros quadrados dessa área de puro lazer e de valorização e preservação da natureza para uma nova jornada de entretenimento.