Counter

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

CG Costa do Descobrimento Part 06





Colher de Pau – Arraial D’Ajuda BA


Reconhecido pela excelência da culinária de Porto Seguro – BA, há vinte e três anos na Passarela do Descobrimento no centro da Cidade, referência extensiva às suas recentes unidades em Taperapuã - na Orla Norte, e em Coroa Vermelha – Santa Cruz de Cabrália, o grupo Colher de Pau inaugura mais uma casa em dois de novembro de 2014, no mais charmoso eixo comercial e gastronômico da Costa do Descobrimento – a Rua do Mucugê, no Arraial D’Ajuda.
O Colher de Pau leva consigo seu cardápio e preços padronizados em todas as unidades, atendendo aos mais variados paladares de seus clientes nativos, executivos, empresários e turistas. O Circuito Geral, presente no restaurante no dia 21 de dezembro de 2014, constatou um show de capacidade e eficiência na manipulação das iguarias e primoroso design de seus pratos, sob o comando do jovem chef Jackson Ribeiro e de sua equipe de ajudantes. A casa também oferece um requintado serviço de barman por Wellington – tudo sob a coordenação de Pablo e Domingos.
Objetivando a implantação da casa a partir de uma temática diferenciada, agregando valores eco sustentáveis ao complexo comercial de Arraial D’Ajuda, a gerente de marketing da empresa Olímpia Pacheco, juntamente com o artista plástico Titi Ladwing, desenvolveu um projeto luminotécnico contemplando o uso de lâmpadas de baixo consumo de energia e luminárias fabricadas com material reciclado – estruturadas com aros de bicicleta refugados e trançadas com fibra de garrafas pet, resultando nos mais variados tipos de plafons, pendentes, arandelas e pétalas para iluminação externa. Agregado a essa concepção, os guarda-corpos do terraço descoberto recebem uma trama iluminada como fechamento, executados a partir do mesmo material.
Coroando a edificação, por sua vez ambientada interna e externamente em harmonia com a aconchegante identidade visual do Arraial D’Ajuda, a trama de fibra de garrafas pets assume o formato de um dos mais típicos instrumentos da culinária brasileira – a colher de pau – não só anunciando aos seus clientes o nome da casa, mas dando-lhes boas vindas à típica culinária da Costa do Descobrimento.
Segundo o Arquiteto Urbanista e Mestre em Conforto Ambiental pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Mauro Senna, a edificação, após a sua reforma, agregou valores positivos ao conjunto arquitetônico do entorno e resgata a linguagem da arquitetura local, muitas vezes cosmopolizada pela introdução de exemplos de arquitetura cuja linguagem é estranha ao local.
Da mesma forma, a identidade visual, a partir de seus elementos rústicos e neutralidade cromática, se integra na proposta embrionária da Rua do Mucugê, berço de uma diversa e aconchegante paleta de cores urbana, responsável pelo charme do eixo comercial, seja durante o dia ou à noite.
Em harmonia com os cintilantes pontos, cordões de luz e luminárias coloridas presentes na Rua do Mucugê, o restaurante Colher de Pau se integra à paisagem noturna com sua tênue iluminação ambiente cuja temperatura de cor morna, inspira o acolhimento e uma transparência ao seu interior à visão dos simplesmente passantes ou dos clientes efetivos que procuram desfrutar da atmosfera mística e romântica promovida pelo Arraial D’Ajuda.
Quanto ao conforto ambiental, a edificação conta com salas de refeições cobertas abertas, varandas e terraços descobertos que são beneficiados pelas brisas marítimas diurnas e terrestres noturnas, promovendo considerável conforto térmico natural aos seus clientes. Em função da permeabilidade aos ventos promovida pela própria arquitetura, a ventilação urbana, considerando o seu entorno imediato, também é beneficiada, princípio este levado até mesmo ao letreiro da casa – a monumental colher de pau - que, apesar de suas dimensões, não gera qualquer barreira ou resistência aos ventos devido à trama a partir do material que é confeccionado, em perfeita sintonia com a paisagem urbana e natural na qual a edificação encontra-se inserida.
Segundo Senna, muito poderia ser discorrido a respeito da descaracterização desse charmoso eixo comercial do Arraial D’Ajuda com a introdução de exemplos de arquitetura estranha à cultura local, a utilização de letreiros em formatos de banner – atuando quase como outdoors impermeáveis à ventilação urbana, de iluminação agressiva a partir de fontes de luz com temperatura de cor extremamente fria - seja do interior dos estabelecimentos, espaços abertos ou, até mesmo de seus letreiros, e de fontes poluidoras de som - que transcendem a necessidade da sonorização ambiente, tão benvinda aos que trocam uma prosa durante a degustação das iguarias oferecidas pelos mais variados espaços gastronômicos da Rua do Mucugê.
No entanto, essas são questões a serem avaliadas e normatizadas oficialmente pelos órgãos públicos competentes e que não fazem parte do depoimento específico sobre a edificação do restaurante Colher de Pau no contesto urbano da Rua do Mucugê ou, até mesmo, da “Broadway”, sob a ótica de um arquiteto urbanista carioca, amante da Costa do Descobrimento e frequentador da região há mais de vinte anos. A despeito do enfoque técnico de seu testemunho, a sua visão do conjunto arquitetônico do restaurante Colher de Pau, incluindo o seu polêmico letreiro, devido às suas proporções monumentais, não passa de mera avaliação pessoal, tão subjetiva quanto opiniões veiculadas nas redes sociais, democraticamente à disposição de todos.
De acordo com o grupo Colher de Pau, muitas das subjetivas e depreciativas opiniões pessoais veiculadas pelas redes sociais acerca da sua nova unidade no Arraial D’Ajuda poderiam ter sido reconsideradas em tempo, caso esse reduzido número de pessoas tivessem procurado conhecer o processo de implantação do projeto de ambientação da casa, desenvolvido segundo critérios de educação e preservação ambiental e concebido por profissionais qualificados e consagrados.
A preocupação da diretoria do grupo Colher de Pau e de seus colaboradores com o desenvolvimento de um projeto no qual a qualidade e da responsabilidade ambiental fosse um binômio presente a ser transmitido aos seus usuários, é expressa nos seguintes quantitativos de resíduos reciclados, retirados do lixo:
(a)    para a confecção das luminárias: 67 rodas e 335 aros de bicicletas;
(b)    para a confecção das luminárias, do revestimento das sacadas e do letreiro: 9.000 garrafas pets.
Ademais, a iluminação projetada contemplando lâmpadas econômicas, visa à racionalização do consumo energético e se encontra em plena sintonia com a redução do aquecimento global.
O grupo Colher de Pau reconhece o apoio dado por seus clientes e parceiros que comparecem à sua unidade Arraial D’Ajuda, ao externarem suas opiniões favoráveis a todo trabalho realizado e registra o seu empenho em agregar benefícios à Costa do Descobrimento como um todo, garantindo trabalhar em cumprimento com as determinações dos órgãos oficiais competentes e não em função de opiniões pessoais.

O Circuito Geral, ciente de que a monumental obra de arte deverá ser removida na primeira semana de janeiro de 2015 por força dos órgãos oficiais, recomenda a todos que compareçam ao Colher de Pau – Arraial D’Ajuda para que possam tirar suas próprias conclusões a respeito do polêmico letreiro. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário