Counter

quarta-feira, 4 de março de 2015

Noite Infeliz


A Comédia Musical das Maldades tem compromisso com absolutamente nada

Deliciosamente demente - é assim que o Circuito Geral radiografa o espetáculo “Noite Infeliz – A Comédia Musical das Maldades”, uma retomada do besteirol transportado para o palco do Teatro dos Quatro, na Gávea, na temporada de 8 de janeiro a 29 de março de 2015.
Os requintes e sutilezas da maldade presente no ser humano – linha mestra do texto de Maurício Guilherme – transpassa os limites da sala de espetáculo e promove uma atmosfera que permeia os arredores do teatro, podendo ser detectada desde a bilheteria, onde uma extensa fila se forma visando à disputa pela aquisição dos ingressos. Uma vez na plateia, em busca de seus lugares, o público é recepcionado por uma trilha musical contemplando, dentre outros sucessos dos anos 70, “Disco Inferno” de autoria da banda disco The Trammps. Assentos localizados, os espectadores se acomodam em seus “limbos” individuais e, a partir da abertura das cortinas do “inferno”, se tornam testemunhas do que há de mais nonsense na concepção do dramaturgo, que deixa portas abertas para uma diversidade de cacos e enxertos repletos de atualidade e improviso, introduzidos com a maior propriedade e naturalidade.
A cada apresentação de um novo esquete, a produção transporta toda a plateia para as “trevas”, transformando-a em vítima das desordens provocadas pelas maldades presentes em todos nós, sob as encenações da trupe divertidamente composta por Érico Brás, Maria Bia, Mariana Santos, Rodrigo Fagundes e Françoise Forton - como atriz convidada. Os atores ateiam, com destreza, o fogo da comicidade e irreverência no palco, sem o menor receio de serem infelizes nessa missão e cujo êxito é comprovado pelas espontâneas e genuínas gargalhadas por parte do público.
A direção de Victor Garcia Peralta dá autonomia e induz os atores usarem e abusarem de seus condutores, tornando-os hilariamente “ridículos” – ao mesmo tempo que demonstram a sua capacidade performática no palco. “Noite Infeliz – A Comédia Musical das Maldades” é um mix de teatro de revista e de costumes, com roteiro musical e versões assinados por Guilherme, direção musical e arranjos de Paula Leal e coreografado por Sueli Guerra, também responsável pela direção de movimentos. Relevante enquanto informação não detectável, até mesmo pelo espectador mais atento, a produção musical exclusiva, a cargo de Amora Pêra, é orquestrada por piano, sax tenor, trombone, baixo e bateria, gravada por Igor Ferreira e reproduzida em perfeita sincronia com as cenas, atestando a excelência da qualidade da equipe de operações de som, luz e vídeo. A irretocável iluminação de Maneco Quinderé – que dispensa descrições técnicas e maiores elogios - dá todo o colorido à festa e, juntamente com o fabuloso videografismo de Rico e Renato Vilaroucaque, valoriza o cenário de Cristina Novaes e Renata Pittigliani, metamorfoseando a boca de cena, de forma mágica e encantadora, numa diversidade de dimensões, ambientes e localidades, dando ênfase na atemporalidade do espetáculo e caracterizando cada esquete de acordo com a sua temática, introduzindo recursos de uma tecnologia “do capeta” à produção. As cores e brilhos do figurino de Antônio Guedes e do visagismo de Rodrigo Fuentes são de um exagero impar, mas eficazes como um alerta para os atores não se permitirem “desencarnar” de seus personagens, induzidos por tamanha descontração e interação que experimentam junto ao espectador.
“Noite Infeliz – A Comédia Musical das Maldades” tem compromisso com absolutamente nada, mas transfere para seu público, de forma lúdica e divertida, a responsabilidade de encontrarem algo de bom nas pequenas maldades que a vida nos reserva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário