Counter

sexta-feira, 20 de março de 2015

Cinquenta Tons de Cinza


Roteiro asséptico e sem qualquer lampejo de criatividade


A leitura feita pelo Circuito Geral, da película “Cinquenta Tons de Cinza”, leva a identificá-la como um trabalho cinematográfico sem conteúdo, contemplando uma história de fácil assimilação e desatualizada em sua proposta, mas somente atingir um público carente de personagens com base nos quais possam sonhar ou, até mesmo, nunca realizar os seus próprios sonhos.

Longe de ser uma obra que revela a beleza da nudez artística, a tentativa de cativar comercialmente o público cinéfilo com cenas de cunho erótico, em pleno século XXI,  torna-se uma apelação simplória diante de outras produções impactantes no contexto da época de seus lançamentos ou pelo alto nível de seu roteiro nos quais as cenas se inserem. Mas “Cinquenta Tons de Cinza” não perde em qualidade somente em função da sua temática sexual, mas pelo seu roteiro asséptico e sem qualquer lampejo de criatividade, o que facilita a direção de um produto facilmente descartável.


Nenhum comentário:

Postar um comentário