Counter

quinta-feira, 30 de julho de 2015

D.U.F.F.



A temática traz à baila a utilização dos indivíduos próximos como degraus

Uma garota tida como a mais popular da escola que, além de bela, é perversa; um capitão de um time da mesma escola que, por ser bonitão, namora a garota mais popular da escola; professores engraçados e legais; garota CDF que não encontra o seu lugar na tchurma; as amigas da garota mais popular da escola; mãe sem noção; o garoto mais desejado da escola pela garota CDF e a trilha sonora com que há de mais novo na cena pop teen – uma sequência de clichês que, a cada mudança de cena, a ficha cai como se o espectador estivesse sendo acometido por um quase palpável déjà vu.

O extenso check list dos lugares comuns, muito presentes em filmes direcionados ao público adolescente, não faz de “D.U.F.F.” uma exceção. A antenada direção de Ari Sandel confere uma nova roupagem ao que já é de conhecimento de todos e o transforma numa deliciosa comédia focando no público jovem e nos adultos cujas mentes joviais são mantidas. O mutante conceito de adolescência, percebido por Sandel, é retratado através do abuso da linguagem das redes sociais e de termos geeks, sem a menor intenção de separar o bem do mal – elementos antagônicos que andam lado a lado em “D.U.F.F.”- Designated Ugly Fat Friend ou “a(o) amiga(o) feia(o) e gorda(o)”.

O termo pode ser prejulgado por intitular um filme preconceituoso e, até mesmo, grosseiro. Ledo engano. A temática traz à baila a utilização dos indivíduos próximos como degraus para atingirem os patamares da vida, com o objetivo de ascender ou se dar bem.

Portanto, mesmo que alguém seja a pessoa mais bela, mais popular, mais bem sucedida, mais inteligente, com mais sex appeal ou, até mesmo, seja, simplesmente, uma pessoa comum, ela já foi ou continua sendo um “D.U.F.F.” pois, querendo ou não, a vida não passa de uma escada onde todos sobem – alguns estacionam em seus degraus, alguns sobem mais do que outros e, muito poucos, chegam a patamares mais elevados, onde o limite, é o infinito.



Nenhum comentário:

Postar um comentário