Counter

domingo, 29 de novembro de 2015

Ricardo III Está Cancelada ou Cenas da Vida de Meyerhold


"Como nossos Pais"


Os alunos formandos do segundo semestre de 2015 da Casa de Artes de Laranjeiras - CAL apresentam, sob a direção de  Bruce Gomlevsky,  “Ricardo III Está Cancelada ou Cenas da Vida de Meyerhold”, cujo texto original é de autoria de Matei Visniec.

Tão logo dá-se início ao espetáculo, o espectador se depara a complexidade de uma produção teatral inserida no contexto do próprio roteiro, com o totalitarismo do poder e com um labirinto emocional transfigurado em um campo de batalha disposto em cena, decorrente de um elaborado exercício dramatúrgico para a montagem de Ricardo III, concebido em uma época na qual a autocensura era o nosso politicamente correto de hoje.

A trilha sonora, igualmente assinada por Gomlevsky, transita entre a lavagem cerebral que alguns personagens são submetidos até a truculência que bate com força, a ponto de subjugar a sensibilidade do espectador. O figurino de Carol Lobato e Tiago Ribeiro remete aos anos de chumbo e, ao mesmo tempo, a uma carnificina pós moderna, de forma tão dramática quanto o desenho de luz de Elisa Tandeta, aliando a preciosidade de uma história de Shakespeare à censura política da vida de Meyerhold, desbotando as cenas, como se fossem negativos de uma já aposentada câmera fotográfica. O projeto cenográfico de Pati Faedo prima pela sua eficiência e simplicidade delineada pelas luzes de Tandeta, como croquis rascunhados quando da concepção de sua estrutura tubular, juntamente com outros elementos que remetem a uma oficina de teatro, cuja secura é quebrada pelo vermelho dos elementos que dão acesso ao poder, custe o sangue que custar.


Em um dado momento, a recém formada trupe se coloca no caminho da liberdade suprema, ao dedicar toda uma cena entoando “Como nossos Pais” – de Belchior, mesmo ciente do risco de se tornar enfadonha ou um simples apêndice sem nada a acrescentar à mística de uma obra dentro de outra obra, recheada de simbolismos, enaltecendo a inocência da morte e se prevalecendo das maldades da vida.



Nenhum comentário:

Postar um comentário