Counter

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Snoopy e Charlie Brown – Peanuts: O Filme


Uma revigorante aventura repleta de ensinamentos e alto astral

Charlie Brown – anti-herói com suas crises existenciais e melancolia; Snoopy – o descolado, extrovertido e sonhador cão da raça beagle que pertence a Charlie Brown; Woodstock - pássaro temperamental, o melhor amigo de Snoopy;  Sally Brown – a teimosa, crítica e séria irmã mais nova de Charlie Brown, apaixonada por Linus van Pelt, filósofo observador e erudito, o melhor amigo de Charlie Brown, sempre agarrado ao seu cobertor;  Lucy van Pelt – a mandona, sarcástica, egoísta e ranzinza irmã mais velha de Linus e Rerun; Schroeder – o talentoso pianista, amante da música clássica e de Beethoven; Patty Pimentinha – a ativista e sempre bem humorada má aluna que costuma dormir nas aulas e só tira conceito D; Chiqueirinho – menino sem nome próprio que está sempre sujo e que não consegue se limpar; Marcie – a tímida, míope e nerd, melhor amiga de Patty Pimentinha, a quem só chama de “meu” ou “senhor”, e que também nutre uma paixão secreta por Charlie Brown. Todos personagens de autoria do cartunista americano Charles M. Schultzpor, transportados para a ingênua, porém enriquecedora produção cinematográfica, “Snoopy e Charlie Brown – Peanuts: O Filme”.

Materializada no formato 3D, a produção dirigida por Steve Martino chega às telas dos cinemas para contar uma deliciosa história valorizada pelo roteiro aguçado e minucioso dos Craig Schulz, Bryan Schulz e Cornelius Uliano, em total respeito à essência original da série Peanuts, eternizadas pelo seu criador. Conta a história do nato perdedor Charles Brown, dotado de uma persistência incomum, que se depara com a chegada de uma menina ruiva em sua vizinhança, o que transforma a sua latente baixa estima em uma revigorante aventura repleta de ensinamentos e alto astral.

“Snoopy e Charlie Brown – Peanuts: O Filme” é um filme no qual cada personagem reflete características passíveis de serem identificadas no cotidiano do seio familiar, do grupo de amigos, no núcleo escolar, tal e qual ele deve ser vivido por cada um de nós, ao longo de nossa jornada – uma singela forma de fazer com que crianças, adolescentes e adultos, cada um a seu modo, filosofem sobre a vida, mesmo que em silêncio, no escurinho do cinema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário