Counter

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Angry Bird – O Filme


As chances para que a partida seja reiniciada em uma próxima sequência é considerável

O fio de história contida no jogo dos pássaros que buscam vingar-se dos porcos ladrões de ovos é assimilado e conduzido divertidamente pelos fãs do game e por aqueles cujo contato se faz pela primeira vez.

A animação caprichada e de cores vibrantes transforma os personagens em figuras adoráveis que cativam o espectador infantil, jovem e adulto, de forma tal a lhes permitir perceber uma moral ao final da história.

A direção de Fergal Reilly e Clay Kaytis – tão didática quanto um tutorial de funções estratégicas de jogo infantil – conta com o roteiro de Jon Vitti que, de forma estratégica, combina a ingenuidade contida na figura dos personagens, com sacadas capazes de satisfazer e despertar a atenção do público adulto presente na sala de projeção, muitas vezes no papel de meros acompanhantes de proles viciadas no passarinho rejeitado – Red e em seus amigos – Chuck e Bomba, e nos porcos em pele de cordeiro.

As chances para que a partida seja reiniciada em uma próxima sequência é considerável. Espera-se, apenas, que os rastros deixados em “Angry Bird – O Filme” sirva de referência para um lançamento que não negligencie no equilíbrio de seus arremessos e que retome o caminho trilhado pela atual produção como parâmetro de uma franquia contemplando futuras boas histórias.


Nenhum comentário:

Postar um comentário