Counter

sexta-feira, 9 de junho de 2017

A Múmia


O que não tem remédio, remediado está

E foi dada a largada! A partir de seu próprio universo cinematográfico, a Universal Pictures apresenta “The Dark Universe” – universo sombrio compartilhado por filmes que resgatam os personagens clássicos dos filmes de horror das décadas 1920 e 1950 – O Corcunda de Notre-Dame (1923), Drácula (1931), Frankenstein (1931), A Múmia (1932), O Homem Invisível (1933), O Lobisomem (1941) e O Monstro da Lagoa Negra (1954).

“A Múmia” é eleita para abrir as portas desse universo sombrio, protagonizado por, ninguém menos, que Tom Cruise, sob a despojada direção de Alex Kurtzman, igualmente co-responsável pela pífia essência do roteiro.

Os produtos da franquia do “Universo Sombrio” deverão ser conectados por uma misteriosa multinacional conhecida como Prodigium, liderada pelo Dr. Henry Jekyll – assumido pelo “camaleonesco” Russel Crowe – cuja missão reside na pesquisa, no rastreamento e, quando necessário, na destruição do mal encarnado sob a forma de monstros - nada mais que uma instituição que opera no vácuo dos governos oficiais. Isso posto, sem dó nem compaixão, carente de explicações e jogada no colo do expectador, a atmosfera anticlímax toma conta do longa, durante toda a trama, a partir da descoberta da tumba da mumificada rainha Ahmanet – incorporada por Sofia Boutella – que desperta do mundo dos mortos deixando um rastro de terror e destruição.

Diz o provérbio que, o que não tem remédio, remediado está. Dessa forma, para que sejam evitadas maiores frustrações, basta comparecer diante das telas – qualquer que seja a dimensão ou a mídia que o espectador se proponha a assistir ao filme: 2D, 3D, em streeming, DVD, Blue Ray, até mesmo TV – ciente do caráter mediano da produção.

Contudo, vestindo a capa da redenção, a United Cinemas International Brasil – UCI toma a iniciativa de acrescentar um caráter ainda mais lúdico e tecnológico às já tão atualizadas salas de projeção. Dia 07 de junho de 2017, é apresentada à imprensa a sala 4DX, com lotação máxima para 112 pessoas, contemplando poltronas com movimento, aromatização, efeitos de neblina, ventania, chuva e muito mais - tudo coordenado com a ação e atmosfera projetadas e transmitidas pela tela. Agregando toda essa tecnologia à projeção em 3D de “A Múmia”, o espectador embarca em uma aventura e assume o caráter participativo pleno, juntamente com heróis e vilões, capaz de, até mesmo, acreditar que assiste a um imperdível campeão de bilheteria. Vale a pena conferir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário