Counter

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Homem-Aranha – De Volta ao Lar


Excede um pouco, mas não satura muito

Uma terceira versão do “amigo de sempre” em “De Volta ao Lar” surge após a releitura de Sam Raimi e Marc Webb – que já concederam ares mais joviais e contemporâneos a Peter Parker – e assume um estilo eminentemente “teen”, através de um jeito meio mangá chibi de ser, em contraposição ao Parker concebido no início dos anos 60 que, apesar dos seus ainda 15 anos de idade, apresentava traços de maturidade física comportamental da década rebelde. Sem dó nem piedade, no vácuo da reformatação do alter ego do Aranha, todos os demais personagens da série clássica parecem ter bebido um cadinho da fonte almejada por Ponde de León no século XVI.

Na sequência de “Capitão América: Guerra Civil”, Peter Parker – atualmente, incorporado por Tom Holland – aguarda o contato de Happy Hogan – o guarda-costas e motorista de Tony Stark – os desde sempre, Jonathan Kolia Favreau e Robert Downey Junior, respectivamente. Sem sucesso, Parker toma a iniciativa de se lançar por Nova York como Homem-Aranha, assumindo o uniforme repleto de tecnologia e gadgets que lhe foi presenteado por Stark, e se depara com uma quadrilha liderada pelo Abutre, o outro lado de Adrian Toomes – incorporado por Michael Keaton – personagem que, antes de se tornar o vilão da vez, já ganhava seu sustento como catador dos armamentos e dos destroços remanescentes da última batalha dos Vingadores, visando à sua venda no mercado paralelo.

Uma trilha sonora pop, uma pitada de comicidade adolescente e um insight de referências para fãs mais conservadores, fazem parte de uma composição criativa em meio a um produto um tanto quanto prolixo – que excede um pouco, mas não satura muito. A hiperativa direção de Jon Watts segue a vertente da contemporaneidade, na qual a inclusão em um universo diversificado e suas específicas conexões no núcleo Marvel fazem do atual Homem Aranha um projeto que tem tudo para vingar e se transformar em uma franquia de sucesso duradouro, como o do lar para onde acaba de voltar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário