Counter

sábado, 19 de agosto de 2017

João, o Maestro


Emocionante experiência através da imersão nos três níveis do processo de realização – o desejo, a determinação e a obstinação

A biografia cinematográfica de João Carlos Martins, através da qual o diretor Mauro Lima desenha a prodigiosa trajetória artística do pianista brasileiro, até os dias de hoje, presta mais que um merecido tributo ao também maestro reconhecido mundialmente – em especial, pelas suas gravações das obras de Bach, através das quais, ainda menino, eclodiu a sua genialidade na arte da execução do piano.

Mais uma vez, Lima demonstra uma capacidade ímpar de transportar fatos reais para as telas de cinema e torná-las mais do que críveis. E o faz, em “João, o Maestro”, com requintes na escolha, não só do elenco que assume o protagonista em três fases de sua vida – Davi Campolongo, enquanto criança; Rodrigo Pandolfo, enquanto jovem; e Alexandre Nero, na sua maturidade – mas como de todos coadjuvantes, em especial – Caco Ciolcler, no papel de José Kliass, o primeiro professor de piano de Martins; Fernanda Nobre, como Sandra, personagem que representa uma das mulheres com quem Martins se envolveu; e Alinne Moraes, como Carmem, sua atual esposa.

Composta por autoria que dispensa apresentações, a trilha sonora, parte integrante e indissociável da obra, é injetada na veia dos espectadores, para o seu deleite, como se tivesse sido composta especialmente para o filme, nos moldes da inquestionabilidade que lhe é conferida.

Lima se faz didático ao longo de todo o roteiro, fidelizando, rigorosamente a temporalidade das passagens de época, seja retratando a arquitetura que compõe os cenários e elementos cenográficos, o figurino, o visagismo e, até mesmo, o processo evolutivo do desenho de luz aplicado ao longo das cenas – além dos costumes materiais e psicológicos de cada época.

As execuções de piano e as regências de João Carlos Martins são espetáculos que estimulam o sentido da audição a partir de sua essência que, capturada em imagens pela obra de Mauro Lima, sem sombra de dúvida, promove uma emocionante experiência através da imersão nos três níveis do processo de realização – o desejo, a determinação e a obstinação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário