Counter

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Entre Irmãs


Formatação dentro dos moldes de um épico

Através de uma ambiciosa direção, Breno Silveira transforma a adaptação do livro “A Costureira e o Cangaceiro”, de Frances de Pontes Peebles, em uma saga cinematográfica com exatos cento e sessenta minutos de duração, intitulada “Entre Irmãs” – protagonizada por Marjorie Estiano e Nanda Costa, que dão vida à delicada e sonhadora Emilia e à forte Luzia, respectivamente. No agreste pernambucano dos anos 1930, as irmãs aprendem, desde cedo, o ofício da tia - a costura. Mas o destino, por sua vez, lhes tece caminhos inesperadamente opostos - Luzia se integra a temíveis cangaceiros e passa a viver com o bando, no sertão, enquanto, Emília encontra, no casamento, a sua passagem para a tão sonhada vida na capital.

A força contida no filme “Entre Irmãs”, muito se dá pela coesão dos personagens elencados por Julio Machado, Rômulo Estrela e Letícia Colin, que fazem com que a emoção não se perca na dramaticidade conflitante do conjunto da obra, que tem como proposta a sua formatação dentro dos moldes de um épico.


Nenhum comentário:

Postar um comentário