Counter

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

O Insulto


Humanizado e sensivelmente positivo, sem a menor intenção de extorquir lágrimas


O surrealismo incomodo e que retrata uma realidade específica – embora distante daquilo que aceitamos como crível – permite o espectador se entregar a interpretações extremamente radicais a partir do longa “O Insulto” – cujo roteiro e direção são assinados por Ziad Doueiri.

O argumento da história é concebido a partir de um desentendimento de motivo torpe que toma proporções inimagináveis, ocorrido entre o libanês cristão Toni (Adel Karam) e o refugiado palestino Yasser Abdallah Salameh (Kamel El Basha), que trabalha irregularmente em uma empreiteira prestadora de serviços para o setor de obras públicas urbanas em Beirute, capital libanesa.  O impasse tem início quando Toni, ao regar rotineiramente as plantas de sua varanda, acaba molhando Yasser, por uma falha de execução do esgotamento de água de sua varanda. Utilizando a prerrogativa que seu ofício lhe confere como empreiteiro a serviço do poder público, Yasser entra em contato com Toni pedindo permissão de acesso ao interior da varanda, para que a falha no esgotamento seja corrigida. Diante da recusa da entrada da equipe de Yasser na sua residência, uma vez identificada a sua nacionalidade, o empreiteiro executa o conserto pelo lado de fora do apartamento, despertando um sentimento de ira em Toni, que o leva a destruir, a marteladas, o serviço executado pelo palestino e que, por sua vez, o insulta.

Ao mostrar os dois lados da moeda, Doueiri expõe a dor sentida por Tony ao se achar insultado e as razões que levam Yasser a recusar se desculpar pelo insulto, conforme exigido pelo libanês. O tema político, humanizado e sensivelmente positivo, sem a menor intenção de extorquir lágrimas dos espectadores, torna essa obra de Ziad necessária, tanto sob a ótica da ficção convertida em dramaturgia quanto da realidade transmutada em arte, retratando o confronto entre de dois povos, de forma imparcial, e permitindo a exposição dos pontos de vista individuais sobre o real significado de um simples pedido de desculpas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário