Counter

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Tungstênio


Alusivo ao metal mais pesado da tabela periódica que, indiretamente qualifica o peso carregado pela sociedade brasileira que convive com o crime, com a violência, com a exclusão social, com o poder paralelo e com a inoperância do Estado

A primeira graphic novel assinada por Marcello Quintanilha, lançada em 2014 – “Tungstênio”, impulsiona a veia criativa do diretor, roteirista e ator pernambucano Heitor Dhalia que leva às telas do cinema, a partir de 21 de junho de 2018, o longa homônimo, adaptação da HQ do quadrinista brasileiro premiado no Festival Internacional de Quadrinhos de Angulême – França. Passível de ser interpretado livremente pelo leitor e pelo espectador, o título da obra de Quintanilha é alusivo ao metal mais pesado da tabela periódica que, indiretamente qualifica o peso carregado pela sociedade brasileira que convive com o crime, com a violência, com a exclusão social, com o poder paralelo e com a inoperância do Estado.

Atemporal, considerando-se as últimas décadas de mandos e desmandos que o Brasil tem passado, “Tungstênio” conta uma história situada, geograficamente, nas proximidades do forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, litoral da capital baiana, tendo como protagonistas o policial casca grossa – Richard (Fabrício Boliveira), sua mulher Keira (Samira Carvalho), Cajú - um jovem envolvido com tráfico e pequenos roubos (Wesley Guimarães) e Seu Ney - um sargento reformado (José Dumont), sendo narrada em off pelo ator Milhem Cortaz.

Quatro vidas e a ocorrência corriqueira de um crime ambiental definem o roteiro original, compartilhado na produção do longa entre Quintanilha, Marçal Aquino e Fernando Bonas, sedimentado pela proposta hiper-realista cinematográfica de Dalhia, que traduz os enquadramentos gráficos da HQ em fotogramas e mantém compromisso de fidelidade para com os diálogos, com o linguajar coloquial e com a estrutura sequencial definida por flashbacks e flashforwards tão acentuados quanto o compromisso do cartunista com a realidade de fato, refletida em suas obras.


Nenhum comentário:

Postar um comentário