Counter

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Slender Man: Pesadelo Sem Rosto


Na tentativa de inovação das origens, o diretor perde a essência e o potencial do terror contido na lenda

A primeira grande lenda urbana da web ganha um filme – segundo se sabe, criada por um americano do estado da Flórida em 2009, que a concebeu para um concurso, à imagem de um homem alto, muito magro, com pernas e braços extremamente alongados e, sem rosto, a qual batizou com o nome de Slender Man. Descaradamente inspirada nos personagens de Stephen King, o personagem sai da internet e ganha vida no mundo real, jurado por muitos já tê-lo visto em aparições no Japão e na Noruega.

Infelizmente, o longa “Slender Man: Pesadelo Sem Rosto” não consegue agregar o fator credibilidade à lenda – muito porque, a história da maligna criatura na rede seja bem mais instigante e apavorante do que Sylvain White tenta promover com sua benevolente direção. White deixa de lado as perversidades contidas na versão da lenda datada de 2014 quando, no estado americano de Wisconsin, duas adolescentes esfaqueiam, até à morte, uma colega de escola, por acreditarem que o homem esguio e sem rosto aniquilaria suas famílias, caso elas não lhe fossem leais.  Ao contrário, ao espectador é apresentada uma história ambientada em uma pequena cidade em Massachusetts, sobre quatro amigas que, em uma noite fatídica, decidem convocar o fenômeno da internet, provocando o desaparecimento de uma das jovens. Dias após o pânico é instaurado a partir da invasão dos sonhos das outras três, assombrados pelo homem esguio e sem rosto, alterando a percepção da realidade das adolescentes com imagens assustadoras e sons desagradáveis.

Apesar dos esforços de White na tentativa de inovação das origens, o diretor perde a essência e o potencial do terror contido na lenda, deixando o espectador vulnerável a ponto de ter seu sono invadido e assombrado pelo Slender Man – lamentavelmente, em plena sala de projeção.  

Circuito Geral - Slender Man: Pesadelo Sem Rosto

Nenhum comentário:

Postar um comentário