Counter

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Legalize Já



Fábula hard sobre a gênese de uma amizade sedimentada na paixão e na verdade contida na vida de cada integrante do grupo de rap rock

Uma história ocorrida na década de 1990 – contemplando problemas financeiros, gravidez não planejada, conflitos familiares e opressão policial – é resgatada segundo um olhar que, de tão atual, acaba por conferir aos fundadores do grupo ‘Planet Hemp’ uma significativa parcela de responsabilidade pela luta contra o preconceito e pela quebra de paradigmas.


“Legalize Já” leva para as telas do cinema uma visão em preto e branco, com toques de sutil cromatismo aguado, a batalha de um vendedor ambulante pela sua sobrevivência, através da venda de camisetas tematizadas segundo o mundo do Rock. Em um extremo, Marcelo divide sua luta com o amor que sente por sua namorada grávida; no outro, acrescenta ao seu esforço, um pai que faz de tudo um pouco para colocá-lo para fora de casa.

Em meio a essa peleja, o capricho da vida faz com que a sua trajetória cruze com a de outro jovem envolvido em constante conflito com a PM – um jovem que não se permite entregar-se ao derrotismo e que canaliza todo o seu potencial de investimento em paixão e amizade para o seu mais recente companheiro de vida dura. Fruto desse acaso, nasce a parceria de Marcelo (Renato Góes ) e Skunk (Ícaro Silva ).

Assinada por Pedro Cardillo, a fuscalva fotografia, concebida a partir de sólida veia artística, confere à trama uma aspereza poeticamente realista, desenhando a ascensão de jovens discriminados que vivem à margem de uma sociedade que os encara como mero delinquentes. A ousada e concisa direção de Gustavo Bonafé e Johnny Araújo manda o recado, sem conferir à obra uma essência biográfica, mas uma história nos moldes de fábula hard sobre a gênese de uma amizade sedimentada na paixão e na verdade contida na vida de cada integrante do grupo de rap rock, explicitamente posicionado a favor da legalização da maconha.

Um prato cheio para debates sobre os pós e os contras à liberação da maconha e para muita divergência sobre o assunto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário