Counter

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

IT - Capítulo 2



Os traumas geracionais e o inesquecível horror presentes na obra formata o longa com marcas perturbadoras, violentas ao extremo, hemorragicamente cruéis e desconfortável conteúdo psicológico


Vinte e sete anos após sinistros acontecimentos, ocorridos na cidade fictícia de Derry, que levam sete crianças a fundarem o “Clube dos Perdedores”, o misterioso local se torna, mais uma vez, o cenário dos membros da confraria, composta pelos, já adultos, Mike (Isaiah Mustafa), Bill (James McAvoy), Beverly (Jessica Chastain) e Ben (Jay Ryan), Richie (Bill Hader), Eddie (James Ransone) e Stanley (Andy Bean). No passado, ainda adolescentes, além de lidar com o preconceito e com a opressão que toma conta da pequena cidade, se viram face a face com um ser demoníaco comedor de crianças e que assumia, quase sempre, a forma de um Clown denominado Pennywise (Bill Skarsgård) – fatos que os marcaram com profundas cicatrizes físicas e psicológicas.

A partir dessa fórmula, o cineasta argentino Andy Muschietti assina a direção da adaptação homônima para o cinema do segundo capítulo do romance de Stephen King – “It”, lançando mão da carga exagerada dos exageros, relativamente aos protagonistas, da mesma forma que o fez com o primeiro capítulo “IT – A Coisa”, lançado em 2017 – longos em sua duração e intensos na sua dose de terror.

Os traumas geracionais e o inesquecível horror presentes na obra formata o longa com marcas perturbadoras, violentas ao extremo, hemorragicamente cruéis e desconfortável conteúdo psicológico. Ao abordar temas sobre as lembranças e traumas da infância IT explora a fragilidade da inocência humana representada pela imagem de um Clown. A familiarização com a obra original de Stephen King concede, vagamente, ao espectador, uma percepção onde o roteiro de Gary Dauberman pretende chegar mas, lamentavelmente, não permite que a produção deslumbre, o suficiente, em se tratando de um sequência final de um filme que, apesar de valer a pena assistir, mas que não induz a plateia flutuar em meio à complexidade de Pennywise.

Nenhum comentário:

Postar um comentário