quarta-feira, 20 de novembro de 2019

A Grande Mentira




Um suspense familiar

O ano é 2009; local, Londres. Um homem e uma mulher, ambos septuagenários, mantém contato através de um site de namoro, até transferirem o relacionamento virtual para a vida real. O início da amizade entre Roy (Ian McKellan) e Betty (Helen Mirren) é amparado pelo fato da mulher ser viúva recente. Certo dia, a caminho de um encontro com Betty, Roy sente o seu joelho - devido a uma anomalia pré-existente – sendo, prontamente, acolhido pela viúva, em sua própria casa. A partir de então, Betty abre a sua guarda de tal forma a assumirem compromissos contratuais, envolvendo bens de ambos, deflagrando o início de uma relação em meio a qual, verdades e mentiras podem ser conjecturadas e dimensionadas proporcionalmente aos dramas vivenciados, no passado, por cada um dos protagonistas.


“A Grande Mentira” é um suspense familiar, articulado pela perspicaz direção de Bill Condon, prologado com ares de comédia romântica. Não obstante, a sequência de cenas assume contornos sombrios e desconfortáveis, até os momentos finais da película, maciçamente sustentada pelo desempenho do elenco protagonista e pelo rocambolesco roteiro assinado por Jeffrey Hatcher, baseado no romance de Nicholas Searle - ‘The Good Liar’.

Nenhum comentário:

Postar um comentário