quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Finalmente Livres




Comédia romântica que desemboca em meio à farsa

Todas as noites, Yvonne (Adèle Haenel) conta ao filho as façanhas do seu falecido pai – um policial que mereceu, até, uma estátua em sua homenagem, prestada por seus colegas de trabalho. O que ela não sabia é que, o defunto era um corrupto que levou para a prisão um homem inocente. Horrorizada, a viúva quer reparar o erro cometido por seu falecido marido. Com isso, dia e noite, ela passa a seguir Antoine (Pio Marmai) – o pobre rapaz que seu marido levou para a cadeia, onde ficou recluso por oito anos, sem ter cometido qualquer crime.


A notória direção burlesca de Pierre Salvadori dá o tom de comédia romântica que desemboca em meio à farsa – uma história onde todos se embelezam, se transformam, escondem a verdade ou contam uma história conveniente para justificar a mentira.

O riso se faz presente na solidão, na injustiça e na traição que envolve os personagens do filme “Finalmente Livres”, onde a culpa e a redenção se confrontam com o caos que toma conta de vidas colapsadas, imersas na hilaridade do drama.

Nenhum comentário:

Postar um comentário