quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Aves de Rapina - Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa




Capacidade feminina de se emancipar de forma ‘foderosa’



O spin-off do ‘Esquadrão Suicida’ – o terceiro longa do Universo Estendido DC lançado em 2016, escrito e orquestrado pelo diretor, produtor e roteirista norte-americano, David Ayer – abre uma promissora janela para Margot Robbie incorporar a excêntrica Harley Quinn – na ocasião, entregue a um romance tóxico com o Coringa, debilmente interpretado por Jared Leto.

“Aves de Rapina - Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa” parte do término da relação entre Harley Quinn e o Sr.C (a maneira exótica da protagonista se referir ao seu desafeto amoroso), conduzido com extrema ira emocional potencializada pelos efeitos do álcool sobre Harley Quinn, que rouba um caminhão-tanque repleto de gasolina e o conduz diretamente ao local do seu primeiro encontro romântico com o Sr.C. – uma indústria de produtos químicos. Nesse momento, um show pirotécnico detonando uma explosão descomunal, ao mesmo tempo fake aos olhos do espectador mais atento, prologa a história do empoderamento de cinco mulheres de Gothan, visivelmente, distintas entre si – a policial Renee Montoya (Rosie Perez) é caracterizada com o visual de uma personagem de seriado televisivo dos anos 1980;  Helena Bertinelli (Mary Elizabeth Winstead) - a filha de um mafioso em busca de vingança pelo assassinato de sua família; a cantora de boate e exímia lutadora de artes marciais - Dinah Lance (Jurnee Smollett-Bell); e a batedora de carteira Cassandra Cain (Ella Jay Basco). A busca por um valioso diamante que anima a narrativa nervosa e fragmentada, cujos estilhaços são aspergidos ao longo de toda a história, também apresenta o detestável criminoso e dono de clube - o romano Roman Sionis (Ewan McGregor). A direção de Cathy Yan, capaz de falar com o público através de uma linguagem pra lá de contemporânea, convida a plateia a participar de lutas coreografadas, a visualizar explosões fantásticas e a testemunhar, com requintes de proximidade, atos de violência extremamente cruéis, praticadas pela anti-heroína e pelo criminoso Sionis.

A abundância de cenas brutais contidas em “Aves de Rapina - Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa”, muitas das vezes, beira ao mau gosto grosseiro. Mesmo assim, o espectador, estranhamente, consegue se divertir – a despeito do excessivo exibicionismo da capacidade feminina de se emancipar de forma “foderosa”, a partir do impacto de um taco de beisebol que, dependendo da cabeça lesionada, pode servir, até mesmo, de um grande alívio para o espectador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário