A Minha Nossa Voz - Uma experiência teatral sonora

A ideia é que a fruição do espetáculo seja feita com o público de olhos fechados


Autor mais famoso por suas peças de teatro e pelo único romance de sua lavra, o clássico O Retrato de Dorian Gray, o irlandês Oscar Wilde (1854-1900) também produziu um considerável volume de contos, escritos entre 1888 e 1891. Três dos mais conhecidos – O Príncipe Feliz, O Rouxinol e a Rosa e O Gigante Egoísta – foram escolhidos para serem levados ao palco em ‘A Minha Nossa Voz’, primeiro espetáculo do grupo Delicadas Criaturas. Nara Keiserman e Marcus Fritsch assinam as adaptações dos contos e integram o elenco da montagem, que tem direção de Demétrio Nicolau. A peça faz curta temporada no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, no Rio de Janeiro, de 2 a 12 de dezembro, de quinta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h.

Apresentado como uma experiência teatral sonora, A Minha Nossa Voz tem a cena fundada nas vocalidades produzidas pelos atores. A ideia é que a fruição do espetáculo seja feita com o público de olhos fechados – na entrada do teatro, serão distribuídas vendas, devidamente higienizadas e acondicionadas, que a plateia será convidada a utilizar durante a encenação, na medida do seu conforto e desejo de aprofundar a vivência proporcionada pelo som. No palco, música e palavra se fundem, se entrelaçam, se alternam e silenciam, de modo a compor uma visualidade tecida pelo próprio espectador na criação dos três contos de Oscar Wilde.

Em A Minha Nossa Voz, a música é inspirada no raga, conceito central da música indiana. De difícil definição, pode ser descrito como uma entidade musical que utiliza notas, duração e ordem, assim como as palavras formam frases, para criar uma atmosfera de expressão.

As obras escolhidas para compor o espetáculo têm em comum o lirismo e a contundência com que mostram o poder de transformação do amor. São três delicadas histórias nas quais este sentimento se manifesta de forma abnegada, em ações desinteressadas e sem qualquer expectativa de retorno ou resultados. Em O Príncipe Feliz e O Rouxinol e a Rosa, pássaros abrem mão de suas próprias vidas por compaixão amorosa; já em O Gigante Egoísta, o temível personagem-título inicialmente proíbe as crianças de brincar em seu belo jardim, mas acaba percebendo que viver sozinho é muito triste e, por fim, se afeiçoa aos pequenos.


FICHA TÉCNICA

Textos: Oscar Wilde

Direção, música e programação visual: Demetrio Nicolau

Atuação e dramaturgia: Nara Keiserman e Marcus Fritsch

Figurinos: Carlos Alberto Nunes

Orientação vocal: Alba Lírio

Fotografias: Renato Mangolin

Mídias sociais: Rafael Teixeira

Realização: Delicadas Criaturas

SERVIÇO

Espetáculo: A Minha Nossa Voz

Temporada: de 2 a 12 de dezembro de 2021

Local: Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto (Rua Visconde de Silva s/nº)

Dias e horários: quinta a sábado, às 20h; domingo, às 19h

Duração: 50 min.

Lotação: 98 lugares

Classificação etária: 12 anos

ou a partir de 1 hora antes do espetáculo, no local


Antecipado pelo Kickante: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

No local: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

Ingressos estreia:

Antecipado pelo Kickante: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

No local: R$ 60 (inteira) e R$30 (meia)


16 visualizações0 comentário