Charles Aznavour - Um Romance Inventado - Texto alegre e comovente

Espetáculo embalado por clássicos do compositor, como ‘La Bohème’, ‘She’, ‘Que C'est Triste Venise’, e outras


Idealizado pela atriz Sylvia Bandeira ‘Charles Aznavour - Um Romance Inventado’, é um musical romântico escrito pelo dramaturgo paraense Saulo Sisnando, que criou um texto com humor e leveza sobre o universo da saudade, das paixões e da passagem do tempo, a partir das músicas mais icônicas do artista francês. Sylvia divide o palco com o ‘formidable’ Mauricio Baduh’, ambos conduzidos pela direção de Daniel Dias da Silva e Liliane Secco, na direção musical e piano


Apaixonada pela obra do compositor, Sylvia procurou um texto alegre e comovente, que a partir das canções de Charles Aznavour, contasse uma história para falar sobre o efêmero da juventude, das paixões proibidas e assim proporcionar bons momentos.


O espetáculo embalado por clássicos do compositor, como ‘La Bohème’, ‘She’, ‘Que C'est Triste Venise’, e outras, faz com que cada canção executada espelhe algum momento alegre, triste ou romântico da vida dos personagens e do público.


A história de Isabel, uma conceituada atriz de teatro, que, entediada com a própria vida, mantém-se reclusa por vontade própria. E Heitor, um jornalista tímido, que, às vésperas de perder a mãe, consegue uma entrevista com a estrela. Ambos descobrem que suas vidas se entrelaçam em torno da trajetória de Charles Aznavour e suas canções.


O repórter lhe pede que reconte em detalhes o romance que ela viveu na juventude com Charles Aznavour, então uma série de lembranças emergem dos recantos mais profundos de sua alma e faz com que a plateia mergulhe em seus amores passados.


A história acompanha o encontro dos personagens que têm em comum segredos ligados ao cantor romântico que jamais conseguiram superar. Cartas trocadas entre a atriz e o cantor, descobertas por acaso, são o ponto de partida da peça. Cartas extraviadas, memórias inventadas e mentiras contadas começam a surgir, revelando que a vida da atriz e de seu entrevistador possuem muito mais semelhanças do que eles foram capazes de supor e quando o jornalista revela seu maior segredo, a atriz percebe que Charles Aznavour nunca esteve tão vivo.


A trama traz as mais emblemáticas canções de Aznavour interpretadas por Sylvia Bandeira e Mauricio Baduh acompanhados pelos músicos Liliane Secco no piano e Ulisses Nogueira no violino vai divertir, comover e encantar o público.


FICHA TÉCNICA:

Idealização: Sylvia Bandeira

Texto: Saulo Sisnando

Elenco: Sylvia Bandeira e Mauricio Baduh

Direção: Daniel Dias da Silva

Direção Musical e Arranjos: Liliane Secco

Músicos: Liliane Secco e Ulisses Nogueira

Iluminação: Felício Mafra

Cenário e Figurinos: Gisele Batalha

Assistente de Cenário e Figurinos: Victor Aragão

Direção de Movimento: Marluce Medeiros

Fotos: Luciana Mesquita

Artes gráficas: Cacau Gondomar

Produção executiva: Nicholas Bastos

Coordenação de E.P.I.: Cleiton Belmiro

Direção de Produção: Cacau Gondomar e Sandro Rabello

Produção Associada: Minouskine Produções – CLG Produções – Diga Sim Produções

Assessoria em Comunicação: Alberto Bardawil e Luiz Menna Barreto

SERVIÇO:

Teatro PetraGold – Rua Conde de Bernadotte 26, Leblon Sábados às 20h e domingo às 19h Temporada 12/03 até 03/04/2022 Ingressos: R$60,00 (inteira) Duração: 70 minutos Classificação etária: 14 anos



31 visualizações0 comentário