Lightyear - A fatalidade e a força do universo que determina a essência de cada ser vivo

Trata-se de uma história sobre o propósito da vida e sobre questões existenciais que realocam o espectador ao papel de protagonista


resenha: psales e msenna


No primeiro longa-metragem da Pixar levado à tela dos cinemas em 1995 intitulado Toy Story - o personagem caubói que havia estrelado no programa de TV “O Rodeio de Woody” nos anos 1950, e que fora lançado no mercado de brinquedos anos depois, conquista o coração do menino Andy a ponto de tornar-se seu brinquedo favorito e líder dos brinquedos da criança.

Contudo, um novo personagem de animação desponta na TV como herói do espaço Buzz Lightyear e, da mesma forma que Woody, passa a ser produzido como boneco brinquedo, versão essa que acaba sendo presenteada ao menino Andy por sua mãe durante a festa de seu aniversário.

O fato de os brinquedos ganharem vida quando os humanos não estão por perto, na franquia Toy Story, permite a deflagração do conflito entre os dois bonecos, percebido pelo caubói como perda seu espaço junto à criança em função do redirecionamento do afeto desta para o astronauta Lightyear.

O spin-off da Pixar apresenta o porquê da afinidade de Andy pelo seu brinquedo intergaláctico, descortinando a origem do patrulheiro através do longa de animação ‘Lightyear’ – uma aventura de ficção científica dirigida por Angus MacLane. Minimamente peculiar, o filme conta a história de uma equipe interestelar presa em um planeta hostil, onde o patrulheiro espacial precisa testar uma espécie de motor que permita à sua nave uma velocidade superior à da luz, chamado como motor de dobra e, dessa forma, levar todos para um outro planeta seguramente habitável. Mas Buzz descobre que a cada tentativa frustrada, todos no planeta de origem envelhecem quatro anos, enquanto que ele permanece jovem.

O longa estabelece uma relação entre a fatalidade e a força do universo que determina a essência de cada ser vivo, o que conduz o espectador, por um instante, à melancolia do autoconhecimento. Trata-se de uma história sobre o propósito da vida e sobre questões existenciais que realocam o espectador ao papel de protagonista.

‘Lightyear’ infelizmente não cumpre a sua missão em mostrar o motivo pelo qual a criança Andy se apaixonar por Buzz, contemplando seus conceitos filosóficos. Contudo, atinge o espectador, que sai do cinema revigorado, elevando a imaginação ao infinito e além, graças ao visual do filme, aos personagens marcantes e à história que desperta emoção ao apresentar atitudes progressistas, típicas do século XXI – a despeito do fato de que filme assistido por Andy, se passe em pleno século XX.


Elenco:

Dulagem:

Marcos Mion

Chris Evans

Keke Palmer

Dale Soules

Taika Waititi

Direção:

Angus MacLane


2 visualizações0 comentário