Otto - Canicule Sauvage - Novo disco do cantor, compositor e percussionista

Pioneiro na combinação da música eletrônica com elementos rítmicos brasileiros

As teclas abrem terreno, acompanhadas diretamente por percussão, baixo e bateria. O groove, intenso e hipnótico, remete inevitavelmente às incursões setentistas de Serge Gainsbourg, ainda mais porque Otto abre seu novo disco cantando em francês. “Canicule” refere-se a um fenômeno chamado “canícula”, que designa períodos de ondas de calor em geral associadas à presença de circulações atmosféricas anticiclônicas estacionárias. A música, que ainda conta com teclados que assobiam, sussurros e os vocais femininos de Kenza Said e Anais Sylla, parece nos conduzir para mais uma viagem específica sonhada pelo compositor, mas em vez disso, estamos entrando em um laboratório.

Canicule Sauvage é o sétimo disco do pernambucano, descontados discos de remixes e ao vivo, e o primeiro em que ele assina a produção de um disco. Depois de anos trabalhando com o ex-baterista da Nação Zumbi, Pupillo Oliveira (com quem fez Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos, de 2009, The Moon 1111, de 2012, e Ottomatopeia, de 2017), Otto começou a levar a sério a composição digital e um software, que já o acompanhava há anos como forma de rascunhar canções, ganhou uma importância nova em sua musicalidade.


A intensa “Menino Vadio”, composta e cantada ao lado de Ana Cañas, carrega o disco para um outro horizonte, menos viajante, em algum lugar entre o rock, o reggae e a pianos que remetem ao rock progressivo. Em “Anna” a convidada é Nina Miranda, brasileira radicada na Inglaterra que liderava o grupo Smoke City, que visita o cantor em uma paisagem onírica temperada por uma intensa percussão nordestina. Na quarta faixa, “Você Pra Mim É Tudo”, uma canção mais tradicional, ele nos apresenta à sua atual companheira, Lavínia Alves, que divide o holofote com o pernambucano.

A canção “Candura”, que conta com a presença de outro compadre, Lirinha, mistura-se com um andamento que começa monotônico e depois flerta com o drum’n’bass, confrontando os dois universos com fluidez e naturalidade. Na oitentista “Decidez”, Lavínia volta novamente, primeiro como uma narradora robótica e depois envolvendo-se na melodia do refrão. A comadre de “Tinta” é Tulipa Ruiz, com quem Otto nunca havia trabalhado e que assina a canção com o pernambucano. “Há Tanta Gente Que Se Abre” é outro mergulho na eletrônica amparado pelos beats de Apollo e pelos vocais de Lavínia.

Nina Miranda volta em uma vinheta que tem o mesmo nome da música que participa, só que uma versão quase acústica e desnudada da produção da faixa original. A pesada “Peraí Seu Moço”, o primeiro single, quase encerra o disco e foi a faixa inspirada por Drake, que deu origem ao novo disco. O disco fecha com a malemolente “Bole Mexe”, suíngue eletrônico que Otto divide com o comparsa Junio Barreto.

Além dos vocalistas, vários amigos bons de Otto atravessam Canicule Sauvage tocando diferentes instrumentos, com percussões de Michelle Abu e Malê, baterias de Samuel Fraga e Pupillo, violões de Juliano Hollanda e baixo de Douglas Couto. Apollo, que coassina a produção do disco com Otto, além de ajudar a colocar este laboratório em pé, equilibra-se entre teclas e synths, pilotando pianos, Korgs, Rhodes, Arps, DX5, Hammond, Minimoogs e tantos outros instrumentos eletrônicos, além de baixos, gaitas e guitarras.


5 visualizações0 comentário